Minha foto
Eu me contradigo? Pois bem, eu me contradigo. Sou vasto, contenho multidões. (W.Whitman)

sábado, 30 de novembro de 2013

Tarde de prata nas calçadas da cidade.
Entre silêncios, zumbidos de insetos e gritos de crianças à distância, 
procuro por ela quando o carrilhão da igreja soa as horas quebradas do dia.
Pela fresta da cortina meus olhos vasculham o pátio
onde labutam as formigas sob o sol inclemente de novembro e de volta ao sofá,
velho amparo, carcomido, desbotado e puído pelo tempo,
meus braços alcançam o vazio da existência.
O ar frio que sopra na sala não vem carregado com o som do seu riso
e então saio à varanda
e através do jardim, sob a asfixia da canícula
apenas olho a rua,
inconsolado.

sábado, 2 de novembro de 2013

Hoje minhas gengivas sangram no calor da noite
e odeio as preces que meus lábios podem proferir.
O asco me invade ao ver o sorriso odioso no rosto do vizinho
ao passar por mim todas essas manhãs ensolaradas
e percebo que de fato me cansei do planeta medíocre em que habito.

A hora da partida é um incógnita.
Não posso chamar, pois é incerto se serei ouvido.
Me canso da espera quando sinto que o dia renasce
e um cansaço profundo prostra-me a alma numa alcova suja.

Mais tarde, pondo meu chapéu de abas largas e cor preta
sairei às ruas para mais um dia de cordiais cumprimentos.